Cadastre-se em nosso boletim semanal

Nome:
Email:
Cadastre-se e receba as atualizações do site

A Gênese (1868)


A última obra escrita por Kardec aborda, sobretudo, o pensamento científico do Espiritismo e estava de acordo com a ciência da época.

Na verdade, A Gênese trata da origem do Universo, especialmente do planeta Terra, do surgimento da vida e da gênese do Espírito, na sua primeira parte.

Na segunda, dá o tratamento espírita à questão dos milagres atribuídos a Jesus, questão essa que deliberadamente não foi tratada quando da elaboração de O Evangelho segundo o Espiritismo, por não ser de cunho essencialmente moral. Nesta parte, o leitor vai saber como o Espiritismo aborda os fenômenos considerados milagrosos, que as religiões cristãs tomaram como parte essencial da vida do Cristo e a base fundamental de suas crenças.

Na terceira parte, Kardec fala das predições. Além de estabelecer as bases do pensamento espírita sobre a faculdade da premonição, ele dedica o último capítulo da obra para falar sobre "Os tempos estão chegados", outro ponto em que as religiões se apoiaram, interpretando-o ao pé da letra, como sendo o fim do mundo, a volta de Jesus à Terra, o juízo final e a ressurreição dos mortos, derivações das crenças mais antigas da Humanidade. O Espiritismo, é claro, dá uma interpretação bem diferente às tais predições, estabelecendo outros parâmetros sobre as transformações pelas quais pode passar o nosso planeta.

O primeiro capítulo de A Gênese é também o mais importante escrito de Allan Kardec sobre o verdadeiro caráter da Doutrina e da Revelação Espírita.

Fonte: Cavalcante, José Benevides (2011), Fundamentos da Doutrina Espírita. Capivari-SP, Editora EME