Cadastre-se em nosso boletim semanal

Nome:
Email:
Cadastre-se e receba as atualizações do site

Por Que Sofro Tanto?

Por Que Sofro Tanto?Karma é um termo utilizado por algumas religiões de origem indianas como o hinduísmo e o budismo, por exemplo. O Karma para estas religiões define o processo da ação intencional e consciente e de suas respectivas consequências.

Segundo o entendimento comum de Karma, todas as nossas ações gerariam reações de igual teor, desta forma, para todo o mal que praticamos recebemos um mal de igual intensidade, assim como, para todo o bem praticado, somos recompensados com um bem relativo. 

Pena de Talião – Olho por Olho Dente por Dente

Esta interpretação para Karma, nos leva a crer que seremos mais cedo ou mais tarde, vítimas de nossos próprios erros, como uma espécie de retaliação inevitável.

O termo "Pena de Talião", ou "Lei de Talião" é o nome dado para uma forma de lei que pune rigorosamente o infrator com a uma pena de igual teor ao crime cometido. É donde origina-se o termo “retaliação”. É uma das formas mais antigas para a aplicação da justiça, tendo registros de sua aplicação já em 1.780 A.C pelos Babilônios1. Moisés, o grande patriarca bíblico que foi também um grande legislador de seu tempo fez uso da pena de talião como forma de controlar um povo, naturalmente turbulento e violento.

Quem ferir alguém, de modo que este morra, certamente será morto. Êxodo 21:12
Se homens brigarem e acontecer que venham a ferir uma mulher grávida, e esta der à luz sem nenhum dano, eles serão passíveis de uma indenização imposta pelo marido da mulher, e que pagarão diante dos juízes. Mas se houver dano, urge dar vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé, queimadura por queimadura, ferida por ferida, golpe por golpe. Êxodo 21:22 a 25

Com base neste entendimento, e diante de nosso passado cheio de equívocos, só nos restaria aceitar nosso destino implacável, e o consequente e justo sofrimento.

Aceitação do Karma

Compreensão é diferente de aceitação. Compreender as possíveis razões do nosso sofrimento é diferente de aceitar passivamente. Se meu marido me faz sofrer é em razão do meu karma. Se meus negócios vão mal, novamente a culpa é do karma, desemprego, inflação, cárie, calvície, enfim, qualquer adversidade passa ser justificada através do karma.

Esta interpretação pode levar-nos a um comportamento de vitimismo e até mesmo de comodismo, já que nada poderia ser feito para evitar. É certo que colhemos hoje o que semeamos no passado, porém, Deus em sua justiça e bondade infinitas atenua as consequências de nossas ações com base em nossa compreensão, em nosso desejo de reparação e no progresso espiritual que alcançamos.

Na obra “A Vida Escreve”, psicografado por Chico Xavier e Waldo Vieira2, encontramos a história de Saturnino Pereira, um homem bom e caridoso que sofre a perda de um dedo ao operar uma máquina onde trabalhava.

Era inconcebível que um homem, justo como Saturnino, que vivia desde muito jovem sob os preceitos dos ensinamentos espíritas, fosse vítima de tamanha desgraça.

Durante uma reunião na casa onde frequentava foi revelado que numa outra encarnação, Saturnino havia triturado intencionalmente o braço de seu escravo em um engenho de cana. O orientador espiritual assim lhe falou: “Por muito tempo, no Plano Espiritual, você andou perturbado, contemplando mentalmente o caldo de cana enrubescido pelo sangue da vítima, cujos gritos lhe ecoavam no coração. Por muito tempo, por muito tempo... E você implorou existência humilde em que viesse a perder no trabalho o braço mais útil. Mas, você, Saturnino, desde a primeira mocidade, ao conhecer a Doutrina Espírita, tem os pés no caminho do bem aos outros. Você tem trabalhado, esmerando-se no dever... Regozije-se, meu amigo! Você está pagando, em amor, seu empenho à justiça...”

Sou o único responsável por meus problemas

Sob a ótica da Lei de Causa e Efeito, sabemos que nossas mazelas não originam-se de fúria Divina ou do pecado original, ou ainda dos erros de nossos antepassados. Somos nós mesmos os responsáveis por nossas vidas, e podemos a qualquer momento iniciar o processo de recuperação de nossos erros passados. Somos seres dotados de inteligência e de livre-arbítrio, portanto, responsáveis por nossas escolhas. Nós escolhemos diariamente nossos pensamentos, que precedem nossas ações. Escolhemos a todo o momento, se perdoamos ou alimentamos o rancor contra nosso próximo, ou se devemos cultivar a compreensão e o perdão.

Com base na lei de causa e efeito compreendemos que somos na maioria das vezes nossos próprios carrascos, mas também sabemos da misericórdia infinita de Deus, que nos oferece continuamente ferramentas para a correção de nossos erros. Por que você acha que está encarnado no momento?

Recebamos cada uma de nossas adversidades como oportunidades para o crescimento espiritual, adotemos uma postura positiva diante de nossos obstáculos, sabendo que fomos nós mesmos que os colocamos lá. O nosso mundo está repleto de exemplos de pessoas que superaram suas dificuldades com perseverança e dignidade. Aproveitemo-nos das oportunidades nesta encarnação para que mais breve possamos contribuir verdadeiramente na grandiosa obra da criação Divina.

Referências:
1: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pena_de_tali%C3%A3o
2: Chico Xavier / Valdo Vieira - A vida Escreve, pelo espírito Hilário Silva - Segunda Parte, Capítulo 20

Curta e Compartilhe esse artigo no Facebook!