contato@uniaoespiritadepiracicaba.com.br (19) 9 9698 3606

Por André de Paiva Salum em 05/12/2016

Francisco Cândido Xavier é seguramente o médium espírita mais conhecido, tendo ganhado notoriedade enquanto ainda encarnado, não apenas pela excepcional produção mediúnica, mas também pelo notável exemplo de vida.

A vida e a obra do médium mineiro já foram comentados e divulgados em artigos, livros, palestras e filmes, tendo obtido reconhecimento internacional. O que torna a figura de Chico extraordinária, além da sua incomum capacidade mediúnica – o maior médium psicógrafo de que se tem notícia – foi sua conduta, a nobreza do seu caráter, sua elevação moral, tendo cumprido sua missão espiritual numa longa existência de simplicidade, renúncia, disciplina, abnegação, sacrifício e serviço incansável ao bem comum. Um verdadeiro apóstolo do Cristo dos tempos modernos. Chico testemunhou fidelidade à doutrina que abraçou de mil modos, exercitou e exemplificou as virtudes possíveis a um ser humano, razão por que granjeou a simpatia, o carinho, o respeito e a admiração de muitos e, além das fronteiras do Espiritismo, conquistou o coração de todas as pessoas sensíveis e isentas de preconceitos, que conseguiram reconhecer no médium de Pedro Leopoldo verdadeiro discípulo de Jesus.

Os incontáveis testemunhos de quem conviveu com Chico confirmam incontestavelmente as qualidades morais que possuía. Somente alguém com um vasto acervo mental poderia realizar a obra mediúnica produzida por ele. Dotado de tal riqueza psíquica, ofertou-a amorosamente a serviço do Evangelho, em sintonia com seu mentor Emmanuel e com os demais seres desencarnados que, através de sua mediunidade sublimada, escreveram tantas obras. Mais do que agudeza intelectual, expressou, como sustentáculo à elevada sensibilidade mediúnica, um grande equilíbrio psíquico e fortaleza interior, aliados à pureza de alma e disposição de servir à causa que abraçou. Por isso foi um apóstolo do amor, na disciplina, no devotamento, paciência e perseverança que manifestou durante toda sua existência. Além da sua grande lucidez mental, suas qualidades morais credenciaram-no, quanto ao conteúdo de sua produção mediúnica, como médium extremamente confiável.

Sua obra mediúnica é de tamanha importância na bibliografia espírita que eminentes estudiosos do Espiritismo consideram a sua um complemento à obra de Allan Kardec em seus aspectos doutrinário, científico, filosófico e religioso. Sua realização mediúnica amplia e expande a codificação kardequiana, elevando a novo patamar a revelação espírita. Chico deu essa contribuição extraordinária pela psicografia, e, ao mesmo tempo, pelo exemplo de vida que deixou, como estímulo e exemplo do nível de realização possível quando alguém se compromete e se oferece em entrega incondicional ao Evangelho.

Fato digno de nota é que o médium, dotado de extraordinárias faculdades mediúnicas, nunca se desviou da rota luminosa guiada pelo Evangelho, mantendo-se fiel aos compromissos assumidos perante o Alto. Não se deixou levar pelas ilusões da matéria, pelas seduções do mundo, pelas facilidades, pela ambição, cobiça nem orgulho, mantendo-se imperturbável na sua luminosa missão. Diante das possibilidades de usufruir da fama e do prestígio que o acompanhavam, mais servia; enquanto as forças físicas o permitiram, permaneceu trabalhando em benefício de todos; jamais se acomodou em repouso indevido; não se deixou enredar nas sombras do mundo, continuando a espargir a luz do amor alimentada pela fé que possuía.

A existência de Chico Xavier foi uma promessa que se cumpriu, esperança do Alto que se realizou na Terra, personificação da espiritualidade superior que promoveu uma imensa sementeira de luz, sabedoria e amor que tem gerado frutos benéficos a toda a humanidade.

No dia 2 de julho de 2002 o médium Divaldo Franco psicografou mensagem ditada por Joanna de Ângelis, intitulada “O Retorno do Apóstolo Chico Xavier”, na qual resume, de modo brilhante, a trajetória do missionário, desde antes do seu ingresso na matéria densa até ser recebido por Jesus, que o acolheu após seu desencarne.

Com estas singelas e despretensiosas reflexões desejamos agradecer a Chico Xavier por ter-nos ofertado, através da própria existência, tanta luz e bondade, bem como reconhecer o empenho dos missionários da Luz, que lhe possibilitaram realizar tão significativa obra através dos livros, exemplos e testemunhos. Cremos que estudar sua obra e praticar seus ensinamentos, valorizando-os, seja a melhor forma de agradecê-lo e fazer jus ao seu legado.