contato@uniaoespiritadepiracicaba.com.br (19) 9 9698 3606

Por André de Paiva Salum em 08/08/2016

A vida na Terra – planeta de provas e expiações – caracteriza-se por constantes desafios que convidam a todos para seu enfrentamento, bem como para a superação das dificuldades da existência, muitas das quais criadas por nós mesmos, em passado próximo ou remoto.

Defrontados por problemas que muitas vezes se agigantam, é comum nos sentirmos inseguros em relação a eles e sem as forças necessárias para resolvê-los. Em tais momentos difíceis, pelos quais todos passamos, a busca de ajuda torna-se importante, e, devido à limitação dos meios materiais para a solução dos problemas mais profundos e dolorosos da existência humana, a ajuda espiritual mostra-se imprescindível.

Na fase atual de transição planetária, em que as crises se aprofundam, o auxílio espiritual se faz mais urgente e necessário à humanidade, pois a ciência materialista e o modo de vida comum, voltado aos aspectos externos da existência, se mostram impotentes diante de questões que somente a sabedoria espiritual pode equacionar e resolver adequadamente. Desse modo, as religiões e filosofias espiritualistas podem ser de grande valor, desde que cumpram a tarefa de esclarecer, confortar e oferecer proposta iluminativa ao ser humano da atualidade, aflito e sofredor.

Nesse sentido, a Doutrina Espírita, através do seu atuante movimento, presta auxílio valioso, seja através das lições e orientações seguras que oferece, seja pela ajuda imediata em momentos de crise, pelo acolhimento, atendimento fraterno, prece e desobsessão, todas essas atividades voluntárias e de valor terapêutico.

As instruções da rica literatura espírita que nos têm sido amorosamente ofertadas pelos espíritos amigos, podem ser compreendidas como expressão da misericórdia divina em favor da nossa renovação interior e, consequentemente, da transformação do mundo que nos serve de moradia.

Além da participação em reuniões de caráter religioso, pode-se, individualmente, buscar a ajuda direta dos guias e mentores espirituais, que, de planos mais sutis, estão sempre prontos a auxiliar e orientar na solução mais adequada dos problemas existenciais. Para esse mister, a oração estabelece uma ponte vibratória e psíquica entre o encarnado e os guias que o assistem, favorecendo a recepção de instruções por via inspirativa, no período de vigília bem como durante o sono, ou por meios indiretos, como o encontro com determinadas pessoas ou algum livro específico que lhe chegue às mãos.

Complementando essa ajuda externa, necessária e sempre valiosa, existe uma outra, ainda mais importante, embora de efeitos não imediatos, que é a edificação do santuário interior, pela vivência das virtudes e transformação do caráter, cujos frutos são a sabedoria, a lucidez e a paz interior, capazes de resolver os mais desafiadores problemas da vida. Essa é uma jornada paciente e longa de autoconhecimento, autotransformação e despertar das qualidades divinas latentes em todos nós, filhos do Criador.

Os sábios, santos e instrutores espirituais são aqueles que, por um longo trabalho interior – durante várias encarnações – desenvolveram os poderes latentes e despertaram as luzes que lhes possibilitam navegar com segurança nos mares tempestuosos da existência seguindo a bússola da fé e guiando outros irmãos ainda frágeis, inseguros e ignorantes, pelos ensinamentos e exemplos que amorosamente oferecem.

De valor inestimável é o serviço prestado ao bem alheio, pois mobiliza energias superiores, favorece a alegria e a paz, intensifica o fluxo renovador da vida e coloca quem o realiza sob a assistência mais direta de espíritos bondosos, que o utilizam na expansão do bem, do qual se torna também beneficiário, além do que a prática do bem funciona como remédio para todo mal anteriormente praticado, equilibrando a conta cármica e mudando o destino para melhor.

Procurando compreender as situações da vida sob uma perspectiva espiritualista, particularmente a que o Espiritismo proporciona, podemos afirmar que a necessidade de buscarmos auxílio alheio e a possibilidade de ofertarmos ajuda aos necessitados são silenciosos convites da vida ao exercício da fraternidade e à expansão do amor na promoção do progresso de todos e na consequente renovação do mundo em que vivemos.